Blog

Fluxo de Caixa – Estrutura

O Fluxo de Caixa é um instrumento gerencial para analisar a relação entre Receitas, Despesas e Lucro. Ele pode ser feito diária, semanal ou mensalmente. O mais comum é que se faça um fechamento mensal.

O fluxo de caixa reúne as informações que permitem o equilibro entre as entradas e as saídas de recursos, tratando basicamente do gerenciamento das contas a pagar e das contas a receber e a posição das disponibilidades.

O principal objetivo é saber de onde veio e para onde foi o dinheiro.

Estrutura de um fluxo de caixa:

Entradas

(-) Custos Variáveis

= Margem de Contribuição

(-) Custos Fixos

= Lucro Operacional

(-) Investimentos

(+ ou -) Não Operacionais

= Saldo Líquido

Onde:

Entradas ou receitas:

São todos os valores recebidos no período. É diferente de venda, sendo considerado apenas o dinheiro que efetivamente            entrou no caixa da empresa.

Custos variáveis:

São todos os gastos diretamente relacionados aos seus produtos ou serviço. É variável porque o seu gasto total varia                conforme a variação da venda, tais como impostos, comissões, matéria prima, terceirizações de serviços, taxas de cartões.

Margem de contribuição:

É o quanto sobra da receita obtida com as vendas dos produtos e serviços para pagar os custos fixos (e ter lucro), após o            pagamento dos custos e despesas variáveis, tais como impostos, matérias-primas, fornecedores, salários do pessoal e                  outros gastos resultantes dessas vendas.

Custos fixos:

São os custos que não dependem da quantidade de produtos criados ou de serviços. São os salários, a energia elétrica, a            internet – gastos que a empresa tem todo mês.

Lucro operacional:

É o resultado obtido pela empresa depois de se deduzir as despesas variáveis e as despesas fixas, ou seja, é o quanto a                operação da empresa gerou de resultado.

Investimentos:

São gastos que não fazem parte do dia a dia da empresa e sobre o qual pretende-se ter algum retorno a curto, médio ou            longo prazo, como por exemplo a compra de uma máquina, contratação de consultoria e aumento de estrutura.

Entradas ou saídas não operacionais:

São as entradas ou saídas que não faze parte da operação da empresa, como por exemplo captação de empréstimos,                  pagamento de juros e de empréstimos, distribuição de lucros.

Lucro líquido:

É a diferença entre todas as entradas e todas as saídas, incluindo os investimentos, ou seja, é o quanto realmente sobrou de          dinheiro no período. Se este saldo for negativo significa que você gastou mais do que recebeu, ou seja, teve prejuízo.

Esta estrutura do fluxo de caixa permite uma melhor análise das contas facilitando a identificação de estão os problemas financeiros da empresa.

 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Open chat
Posso ajudar?